X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

2d1eeeb8896fd565854bc0283637b5db-1
Política e Economia

Após voto de confiança à liderança e à meritocracia, resposta paulistana ao fracasso será impiedosa

Temos um país em crise para inspirar. “Bora, Doria!” —o voto de confiança está dado; a resposta em caso de fracasso será impiedosa.

Esquerda e direita podem concordar: fomos poupados de um segundo turno virulento. Doria versus Haddad reeditaria, para São Paulo, o clima venenoso da campanha presidencial de 2014.

Vila Olímpia e Vila Madalena se preparavam para um confronto apocalíptico. E eis que a periferia decidiu a questão, rejeitando o intelectual petista, bem como os nomes do velho fisiologismo, e optando pelo empresário tucano.

Mesmo sem novas eleições presidenciais, o povo deu um recado claro da direção que quer seguir.

A população quer um Estado eficiente, que entregue em serviços o que cobra nos impostos, e que enterre, de uma vez por todas, o ranço ideológico que demoniza a iniciativa privada e o mercado. Quer trazer para a política práticas de gestão empresarial. E quer, é claro, se livrar do PT.

Haddad não cooperou. Sua postura distanciada, trazendo soluções supostamente geniais da Europa e tentando impô-las a ferro, fogo e multa não deu certo. Teve, ainda, a oportunidade de sair do PT, mas optou por ficar nele e bradar contra o “golpe” em sua propaganda.

Sem paciência para ideologia, São Paulo optou pela imagem de um empresário de sucesso que promete trazer essa vibração para a Prefeitura. Optou por uma campanha que levou sem medo a promessa da privatização a lugares nunca antes considerados: o estádio do Pacaembu, o parque Ibirapuera, até os corredores de ônibus.

captura-de-tela-2016-10-03-as-11-03-56 captura-de-tela-2016-10-03-as-11-04-09

Com um Estado tão ineficiente como o nosso, e com a velha política só pensando em aumentar impostos, a melhora na gestão ajudaria a recuperação sem punir a sociedade.

Com um Estado tão ineficiente como o nosso, e com a velha política só pensando em aumentar impostos, a melhora na gestão ajudaria a recuperação sem punir a sociedade.

Agora, cabe perguntar: será Doria esse gestor excelente que sua campanha vendeu? Uma de suas propostas, a de agendar exames médicos do SUS em hospitais privados no horário da madrugada, foi notoriamente desastrada: não só ter que ir ao hospital distante às 3h da manhã é um estorvo bastante grande, como o custo da mão-de-obra médica nesse horário é mais alto. A medida aumentaria a ineficiência do gasto estatal.

Haddad, por outro lado, teve seus acertos na gestão. Incapaz de construir as centenas de creches prometidas, matriculou crianças em creches privadas conveniadas, aí sim melhorando o custo-benefício do gasto público.
Aquilo que Doria simboliza recebeu um claro mandato da população. Mas o símbolo nem sempre corresponde à realidade.

Por melhor que tenha sido seu resultado, ainda perdeu para o “brancos, nulos e abstenções”, favorito inconteste desde 2013. A suspeita da classe política como um todo —que ajudou Dória— continuará no ar e não o poupará se ele decepcionar.

Na câmara de vereadores, vemos também o primeiro passo de uma renovação: o Partido Novo, sem fazer coligações e sem usar o fundo partidário na campanha, elegeu Janaína Lima, moradora do Capão Redondo que virou uma das líderes do Vem Pra Rua, vai cortar gastos de gabinete e reduzir assessores.

Bora, Doria!

Liderança, meritocracia, sair de baixo e chegar lá, são valores que estão em alta. Não é hora de se lamuriar; São Paulo quer trabalhar e cumprir com otimismo nossa vocação para o sucesso. Temos um país em crise para inspirar. “Bora, Doria!” —o voto de confiança está dado; a resposta em caso de fracasso será impiedosa.

JOEL PINHEIRO DA FONSECA é economista formado pelo Insper e mestre em filosofia pela USP.

Comente este artigo

Populares

CONTEÚDO EXCLUSIVO. TÁTICAS UTÉIS. EMPREENDEDORISMO COMO NENHUM OUTRO.

Para fechar esta janela, clique na área escura.

CLOSE
Topo